O poder do planeamento

Posted on Posted in If-Then Plans, Planning

Peter M. Gollwitzer, New York University

Todos nós temos maus hábitos. Petiscamos quando estamos mais stressados ou bebemos demasiado álcool quando estamos num momento descontraído entre amigos. Criamos stress desnecessário ao deixarmos que os media nos distraiam de concluirmos os nossos projetos profissionais, ou ao entrarmos em querelas desnecessárias com colegas, amigos ou família. Como podemos mudar estes maus hábitos?

(more…)

Fear is a bad counsellor

O Medo é um mau conselheiro

Posted on Posted in Fear, Incentives

Dr. Gjalt-Jorn Peters, Open University, Países Baixos

 

A utilização de mensagens que visam aumentar o receio/medo são uma estratégia comum para promover a mudança de comportamentos de saúde. Um bom exemplo, são as mensagens utilizadas nos maços de tabaco acompanhadas com imagens chocantes. Um outro exemplo, são as campanhas de promoção do uso do cinto de segurança e o desencorajamento do uso de substâncias ilícitas. Apesar da popularidade e do uso generalizado destes métodos de intensificação do medo, a investigação sugere que esta pode não ser a melhor forma de mudar comportamentos.

 

Como é possível o medo não ser uma estratégia eficaz? Não deveriam as pessoas ficar assustadas com as coisas que lhes podem fazer mal à saúde? Afinal, qualquer pessoa que saiba os riscos envolvidos seguramente que não irá fumar, conduzir sem o cinto de segurança, ou usar metanfetaminas, certo? Bom… não propriamente…

(more…)

E-Health: tendências e esperanças

Posted on Posted in E-health, Interventions

Rik Crutzen, Maastricht University, The Netherlands

 

Hoje em dia, as pessoas utilizam a internet a toda a hora para uma grande diversidade de atividades: desde fazer compras a partilhar com um amigo que está do outro lado do mundo, uma fotografia engraçada de um gato. Tudo é possível na internet. A internet é também cada vez mais utilizada na área da saúde – referida como e-saúde (“e-health”).

 

(more…)

Será que o dinheiro muda mesmo tudo? A utilização de incentivos e desincentivos monetários na promoção de comportamentos saudáveis

Posted on Leave a commentPosted in Financial Incentives, Incentives

Jean Adams, Centre for Diet & Activity Research, University of Cambridge

Em Portugal, é cobrado desde fevereiro de 2015 cerca de 10 cêntimos por cada saco de plástico descartável. O dinheiro cobrado desta forma reverte para o estado, e logo no primeiro ano desta medida, o uso de sacos de plástico em Portugal caiu 98%. Não é difícil concluir que um pequeno desincentivo monetário pode ter um grande impacto no nosso comportamento.

(more…)

“Ganhar o hábito”: Aplicar a ciência da formação de hábitos ao mundo real

Posted on Leave a commentPosted in Automaticity, Habit

By Benjamin Gardner, King’s College London

O que é um hábito?

Porque é que comemos pipocas quando vemos um filme? A maioria das pessoas responderia que comer pipocas é uma resposta habitual a ver um filme. A Psicologia  define comportamentos “habituais” como ações que surgem automaticamente, como resultado da aprendizagem de associações formuladas entre uma determinada situação (por ex. o cinema) e a resposta a essa mesma situação (por ex. comer pipocas).

(more…)