Suporte social e comportamentos saudáveis: Como passar das boas intenções a um apoio eficaz

Posted on Posted in Interventions, Social Support

Urte Scholz, Universidade de Zurique e Gertraud (Turu) Stadler, Universidade de Aberdeen

Quando ouvimos a expressão “suporte social” pensamos que é algo necessariamente positivo. O que pode haver de mal numa “pequena ajuda”? Ter alguém que cozinhe refeições saudáveis quando se está a tentar comer melhor; ou ser reconfortado quando se sente em baixo porque a última tentativa para deixar de fumar não correu tão bem… Estes exemplos já nos dão uma ideia que as boas intenções podem não ser suficientes quando ajudamos alguém. O/A companheiro/a que cozinha receitas saudáveis ou a sua irmã que lhe impinge dicas de dietas também o podem levar a sentir que só as outras pessoas é que sabem o que é melhor para si. A questão é… pediu-lhes que o/a ajudassem? Será que não acreditam que você consegue comer de forma saudável sozinho/a? Será que o apoio para a mudança de um comportamento é sempre positivo? Neste texto procuramos ajudar os profissionais de saúde a melhor aconselhar os seus utentes a procurar suporte social útil e significativo. Vamos começar por definir o que é, e o que não é suporte social.

O que é o suporte social?

Suporte social é a ajuda que uma pessoa providencia a outra quando existe um problema ou um desafio, como por exemplo, tentar seguir uma dieta saudável. Este suporte foca-se na resolução do problema ou, pelo menos, no alívio do stress associado ao problema. Há três formas comuns de suporte que frequentemente se conjugam. A primeira é o suporte emocional – reconfortar uma pessoa e fazê-la sentir-se desejada, compreendida e acarinhada quando não está a conseguir lidar com uma determinada dificuldade. Uma segunda forma é o suporte logístico ou prático, isto é, ter uma ação concreta para ajudar o outro, como por exemplo, comprar alimentos saudáveis. Um terceiro formato é o suporte informativo, que se caracteriza por providenciar estratégias sobre como mudar o comportamento, por exemplo, comer mais vegetais. A investigação tem demonstrado que a maior parte do suporte social provém de pessoas próximas, como o companheiro/a, a família ou os/as amigos/as. Já para pessoas com problemas de saúde, os profissionais de saúde e outras pessoas com problemas de saúde semelhantes são também importantes fontes de suporte social.

Há dois tipos diferentes de suporte: aquele que se espera obter no futuro ou aquele que efetivamente obtivemos no passado. Ao primeiro tipo de apoio chamamos suporte social percebido e está mais relacionado com uma expectativa otimista do suporte que se poderá receber do que do suporte real efetivamente recebido. Por exemplo, um fumador que tem intenção de deixar de fumar pode antecipar que apoio irá obter quando o fizer. Este tipo de suporte nem sempre corresponde à realidade. Para analisar o suporte social real, tem de se questionar sobre o suporte que se obteve numa determinada situação para ultrapassar um determinado problema, i.e. pedir o feedback retrospectivo das interações de suporte verdadeiramente ocorridas. Por exemplo, que ajuda teve durante a última semana em que tentou comer melhor.

A influência do suporte social para a mudança para comportamentos saudáveis

Quando consideramos a investigação sobre suporte social e os comportamentos de saúde, muitos estudos reportam efeitos positivos do suporte na adoção de comportamentos de saúde. Mas uma grande parte desta investigação foca-se no primeiro tipo de suporte, o suporte percebido. A expectativa positiva de suporte social parece estar associada, de forma consistente, a comportamentos mais saudáveis.

O suporte social real, tem merecido menos atenção por parte da investigação. Para este tipo de suporte, o sucesso das ações de apoio parece depender:

  • de quem está a providenciar o suporte (por vezes a ajuda de um amigo é melhor que do parceiro/a),
  • do género de quem apoia (as mulheres parecem ser melhores no apoio tanto a homem como a mulheres),
  • do ajustamento entre o suporte requerido e o que é realmente providenciado, e ainda…
  • em que circunstâncias este ocorre (se há um equilíbrio entre o dar e o receber).

 

De facto, alguns estudos reportaram que receber suporte social pode até mesmo ser contraproducente. O suporte pode levar a sentimentos negativos ou simplesmente levar a que não se sinta capaz de lidar com o desafio que enfrentamos naquele momento. O Suporte de pessoas em quem confiamos e que satisfazem as nossas necessidades, fazendo-nos sentir compreendidos/as, valorizados/as, e acarinhados/as quando estamos a tentar mudar comportamentos de saúde, parece ser a opção mais eficaz. O suporte significativo depende de uma comunicação bidirecional, em que ambos os lados comunicam entre si: A pessoa que tenta fazer uma mudança deve perceber as suas necessidades pessoais e comunicá-las de forma clara, procurando activamente o apoio de pessoas responsivas ao pedido de apoio. Quem dá apoio, deve procurar satisfazer as necessidades do outro de uma forma respeitosa e adequada.

Recomendações práticas:

Então como é que pode apoiar de forma eficaz alguém que pretende mudar um comportamento de saúde? Considere as seguintes recomendações:

  • Encoraje os/as utentes a procurarem o apoio das pessoas de confiança, no sentido de comunicarem o que é que precisam em termos de suporte. Poderá ser mais emocional ou logístico, ou até mesmo o desejo de alterar um determinado comportamento sozinho/a, sem apoio de outros.
  • Pratique com o/a utente formas de comunicação das suas necessidades em situações específicas e também sugestões sobre as formas mais úteis de receberem suporte de outros. Por exemplo, fazer exercícios de role play em diferentes cenários de procura de apoio. O utente pode praticar a forma como poderá orientar e como providenciar feedback construtivo a quem irá apoiá-lo.
  • Exercitar a capacidade de reconhecimento de suporte especializado. Como a mudança comportamental é um processo dinâmico e as necessidades podem alterar-se de um dia para outro, este processo poderá requerer mudanças frequentes.

 

Translated by Jorge Encantado, Marta Marques